Emmanuel Macron e a perspectiva antinatalista na França

O candidato venceu as eleições com 66,10% dos votos
O candidato venceu as eleições com 66,10% dos votos

Com a eliminação do candidato François Fillon nas eleições primárias, a disputa pela Presidência da França se deu entre dois candidatos que se declaram abertamente favoráveis à manutenção de políticas antinatalistas. Ao contrário da imagem que a mídia secular tentou construir, tratando as eleições como uma disputa travada entre um candidato com ideais progressistas (Emmanuel Macron) e uma candidata conservadora (Marine Le Pen), restringindo o embate principalmente ao âmbito das políticas migratórias, o que se vislumbrou na prática, foi o alinhamento dos dois candidatos, pela manutenção das políticas contrárias à vida desde a concepção.

Do resultado nas urnas, Emanuel Macron, candidato considerado possuidor de ideais de centro, saiu vencedor. Mas diante da atual crise que a França vem enfrentando – principalmente no que concerne ao choque cultural resultante da imigração em massa à Europa, conjugada à queda na taxa de fecundidade da população e à crescente secularização –, o que se pode esperar do futuro desta nação, que há muito tempo, já foi conhecida como um dos pilares da Civilização Ocidental? Que consequências práticas a vitória de Macron, e seu posicionamento favorável à continuidade das políticas contrárias à vida e à família, bem como seu alinhamento à corrente conhecida popularmente como “globalista” podem provocar a esta nação tão influente não somente no continente Europeu, mas no mundo? Ainda não é possível responder claramente, mas alguns dados que serão apresentados na sequência mostram quão preocupante é o horizonte que se vislumbra a médio prazo.

A taxa de fecundidade na França, segundo estatísticas recentes (2015), está em torno de 1,9 filhos por mulher, valor abaixo da taxa de reposição, que deveria ser algo em torno de 2,1 filhos por mulher. Comparando-se ao Brasil, onde o mesmo índice apresenta uma média de 1,74 filhos por mulher, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), pode-se chegar até mesmo a argumentar que a França está numa situação demográfica mais confortável que a brasileira e a de outros países europeus como a Alemanha, cuja taxa de fecundidade já alcançou algo próximo a 1,4 filhos por mulher. No entanto, a grande preocupação centra-se na rapidez para que o país atingisse este nível, de modo que este indicador passou de 2 para 1,9 em pouco mais de um ano, e já é considerada pelos especialistas, como a pior taxa desde a Segunda Guerra Mundial [1].

A França encontra-se atualmente em estado de alerta, devido à frequência com que ataques terroristas, motivados pela intolerância religiosa, vêm sendo realizados no país – com destaque para os atentados contra a sede do jornal satírico Charlie Ebdo e à casa de shows Bataclan em 2015 –, e revelam grande preocupação em decorrência do choque cultural inerente à migração em massa para a Europa. A França já é o país europeu com maior proporção de islâmicos (7,5% da população), respondendo por aproximadamente 25% da população islâmica em toda a Europa. Ademais, a taxa de fecundidade entre os islâmicos é de aproximadamente 2,2 filhos por mulher contra 1,5 dos demais residentes, na média do continente [2].

No tocante ao aborto, a legislação francesa já permite a realização do procedimento desde 1975, sendo que o ato pode ser realizado até as 12 semanas de gestação, por razões sociais ou econômicas, julgando a mulher não ter condições de ser mãe, sendo possível fazê-lo também após esse período, se identificada má formação. Além da possibilidade de realizar o aborto, recentemente também foi aprovada no Parlamento Francês, a criminalização de informações sobre alternativas ao aborto, ou seja, veiculação de informações com conteúdo pró-vida são passíveis de punição [3].

O candidato eleito Emmanuel Macron, considerado como liberal e progressista pela maioria dos franceses, já se declarou favorável à manutenção das leis em relação ao aborto, bem como à união civil entre pessoas do mesmo sexo que, desde sua aprovação em 2013, contou com a rejeição de parte significativa da população francesa [4]. Macron também já deu declarações favoráveis aos procedimentos de reprodução assistida a casais homossexuais e mulheres solteiras [5]. Por fim, o candidato também se alinha com as perspectivas da União Europeia, o que representa maior abertura aos ideais estabelecidos no conjunto dos países que compõem o grupo, o que por si só, já se configura uma possibilidade de se ampliar ainda mais a legislação para o aborto, visto que a U.E., a exemplo da ONU, vem perseguindo assiduamente os países que contrariam tal prática [6].

As eleições francesas não representaram qualquer avanço em termos morais, haja vista a proximidade de objetivos dos dois candidatos no que se refere às propostas relativas ao aborto, de modo que ambos postularam pela manutenção da legislação vigente, que já é bastante permissiva neste quesito. Ademais, a vitória de Macron, considerado como o mais liberal nesta disputa, representa também a possibilidade de avanço das medidas contrárias à vida e à família, com base em seu posicionamento em relação à União Europeia. Sobre o futuro da França, em meio à decadência dos princípios que construíram sua civilização, somente os episódios que seguirão poderão demonstrar seus resultados.

Por: Núcleo de Bioplítica

 

REFERÊNCIAS

1.http://br.rfi.fr/franca/20160120-taxa-de-mortalidade-na-franca-atinge-o-pior-indice-desde-o-fim-da-segunda-guerra

  1. http://dcvcorp.com.br/?p=1212
  2. http://correiopaulista.blogspot.com.br/2016/11/franca-ameaca-o-discurso-pro-vida.html

4.http://www.semprefamilia.com.br/as-diferencas-de-le-pen-e-macron-sobre-aborto-lgbt-islamismo-e-outros-temas-morais/

5.http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/mundo/noticia/2017/04/eleicao-na-franca-os-principais-pontos-dos-programas-de-governo-de-macron-e-le-pen-9778950.html

6.http://www.catolicanet.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=8786:polonia-rechaca-ingerencia-da-uniao-europeia-e-nao-despenalizara-o-aborto&catid=86:lista-meio

 

Deixe seu comentário

*