Santo e político: pode isso?

thomas O Santo que a Igreja faz memória neste dia 22 de junho é um exemplo a ser seguido em nossos dias por todos nós, mas especialmente pelos políticos.

São Thomas More era inglês, tendo vivido nas conturbadas primeiras décadas do século XVI, anos em que Lutero iniciou o Cisma que tanto feriu a Igreja. Inicialmente a Inglaterra não foi atingida pelo cisma que vinha da Alemanha. Ao contrário disto, o Rei Henrique VIII até defendeu a Igreja do protestantismo. Mas logo tudo mudou.

Henrique VIII

A mudança que houve em Henrique VIII foi impulsionada pela luxúria. Amante de várias mulheres, o rei exigiu do Papa da época – Clemente VII – que declarasse como nulo seu casamento com Catarina de Aragão, para que ele pudesse se casar com Ana Bolena, uma jovem com fama de luxuriosa. Com a recusa do Papa, pois a Igreja não pode anular casamentos válidos, o Rei declarou o desligamento da Inglaterra de Roma, criando a Igreja Anglicana.

Ele de fato “casou-se” com Ana Bolena, mas apenas 3 anos depois a matou, em 1536, pela alegação de adultério. Além disto, a vida de Henrique VIII era uma depravação só: fora amante da irmã de Ana e, antes de morrer, em 1547, Henrique casou-se duas vezes: com Catarina Howard, jovem de 19 anos, que também condenou à morte em 1542 e depois com Catarina Paar.

Martírio

Em meio a toda esta vivencia pecaminosa na corte Inglesa estava Thomas More. Filósofo e escritor, pai de 4 filhos, era considerado um dos homens mais sábios do seu tempo. Era também político, sendo a autoridade mais importante na Inglaterra depois do rei. O fim de sua vida começou a ser selado no dia 3 de novembro de 1534 quando foi aprovado o “ato de supremacia”, isto é, o rei se auto definiu como o chefe supremo da recém fundada Igreja inglesa, a Igreja Anglicana. Seu poder não teria nenhuma restrição, também em matéria doutrinal e disciplinar. Esta lei deveria ser jurada por todos os súditos ingleses; a recusa era considerada crime de lesa majestade, a ser punido com a morte.

Embora muitos religiosos e até bispos aceitaram o cisma, muitos resistiram. Elisabete Barton, estimada como santa pelo povo, foi morta. 50 franciscanos observantes morreram no cativeiro; 150 foram dispersos, 16 foram trucidados. Muitos mosteiros foram fechados. Thomas More, juntamente com São João Fisher, foram presos e finalmente degolados no ano 1535.

Thomas More foi canonizado em 1935 pelo Papa Pio XI e proclamado por São João Paulo II, no ano 2000, como Padroeiro dos políticos, recebendo o título de “o homem que não vendeu a sua alma”. Em um tempo em que tanto precisamos de políticos honestos e defensores da vida, São Thomas More é um exemplo e, por isso, Padroeiro da Casa Pró-Vida Mãe Imaculada.

Deixe seu comentário

*