Filha de Santa Gianna revela o “segredo” da santidade de sua mãe

0 Comentário
8024 Visualizações

O que foi que permitiu Santa Gianna Beretta Molla escolher a vida de sua filha à custa da sua própria quando confrontada com a decisão? O que foi que a permitiu oferecer louvor e graças a Deus apesar de morrer dias depois de dar a luz ao seu saudável bebê, deixando quatro crianças e um marido amoroso?

O segredo da santidade de Santa Gianna foi revelado para LifeSiteNews, em Fevereiro de 2016 numa entrevista com a própria pessoa para quem a santa deu sua vida: a sua filha Gianna Emanuela Molla.

Gianna Emanuela, 54 anos, disse que se a vida de seus pais a ensinou algo é que o “caminho da cruz” é “certamente o caminho certo” que os cristãos devem seguir “para poder um dia desfrutar da alegria de estar no paraíso diante de Deus, para sempre”.

Ela não está falando de uma vivência triste e dolorosa da fé cristã, mas de um tipo de vida que leva a pessoa para a mais profunda e completa – e muitas vezes inesperada – alegria. Como realizar essas duas coisas aparentemente irreconciliáveis ​​– abraçar a cruz e encontrar a alegria – é o “segredo”.

Gianna Emanuela explicou que para os cristãos, a cruz não tem a palavra final, mas vem a ser a fonte para a maior das transformações.

“O caminho da cruz, humanamente [falando], é o caminho mais incômodo e difícil de seguir. Mas é o único caminho que nos permite [encontrar] um sentido total e completo para as nossas vidas”, disse ela.

“O caminho da cruz, como se sabe, está ligado à ressurreição, como o nosso Jesus nos ensina. E, como nossa mãe celestial nos ensina, esse caminho de cruz requer o nosso ‘sim’, o nosso contínuo ‘sim’ à vontade de Deus, sempre, mesmo quando não entendemos a vontade de Deus. Nós temos que dizer o nosso ‘sim’ a Deus”, acrescentou.

Gianna Emanuela vê no exemplo de vida de seus pais a alegria que vem de abraçar as cruzes que eles encontraram diariamente ao longo da vida.

“A vida de mamãe e de papai também me ensina que o caminho da cruz é também o caminho da alegria. Que tipo de alegria? A mais perfeita alegria, a mais grande alegria, o prelúdio para a maior alegria – ser capaz de um dia ter a alegria do paraíso, de estar diante de Deus, para sempre”, disse ela.

“É possível caminhar ao longo do caminho da cruz e viver na alegria se tivermos Jesus em nosso coração, se vemos tudo o que nos acontece à luz da fé. E assim, se vivemos deste modo, nos sentimos [inspirados] para agradecer a Deus continuamente, assim como fez meu pai, por tudo, por cada uma das nossas respirações. Nós temos que agradecer a Deus”, acrescentou.

A livre escolha da pessoa em abraçar as cruzes na vida como vontade de Deus e encontrar a paz e a alegria nesse ato vem diretamente do próprio Jesus. Foi ele quem disse: “Quem quiser ser meu discípulo deve negar a si mesmo, tomar a sua cruz e me seguir” (Mt 16, 24). Em outro lugar ele diz: “Tomai o meu jugo sobre vós e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11, 28-30). Ele também disse: “Tenho-vos dito isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa” (Jo 15, 11).

Gianna Emanuela será eternamente agradecida a sua “Santa Mãezinha” pela decisão de abraçar a cruz após a descoberta de uma grave doença enquanto estava grávida.

Sua mãe, uma médica pediatra, estava grávida de Gianna Emanuela em 1961, quando descobriu que tinha um grave tumor de útero. Os médicos lhe deram três opções: um aborto, uma histerectomia total (que também mataria seu bebê) ou remoção cirúrgica apenas do tumor (menos chance de sucesso). Com a vida de sua preciosa filha em mente, a mãe optou pela remoção do tumor.

Mas as complicações persistiram. Diante de um parto difícil, ela disse aos médicos: “Se vocês tiverem que escolher entre eu ou a criança, não hesitem: escolham a criança – eu insisto. Salvem ela.” Ela morreu sete dias depois, em 28 de abril de 1962, dando a vida por sua filha, depois de exclamar repetidamente: “Jesus, eu te amo. Jesus, eu te amo.” Ela tinha 39 anos.

Gianna Emanuela disse que o “sim” de sua mãe a Deus em meio às complicações e a agonizante dor que cercaram a gravidez e parto permitiram que Deus levantasse algo bonito daquilo que a maioria das pessoas considerariam uma situação desesperadora.

“Minha Santa Mãezinha ao dizer o seu ‘sim’ a Deus permitiu que Deus realizasse (levasse a bom termo) a minha própria vida de forma completa”, disse ela.

Ela disse que a chave para abraçar a cruz de forma que isso se transforme numa fonte de alegria é “continuamente” agradecer a Deus por tudo, o bom e o mau, que surgem em nosso caminho.

“Mamãe e papai, ambos sofreram muito em suas vidas… E mesmo sofrendo muito, eles tinham uma grande alegria no coração. Eles continuamente agradeciam a Deus, isso era o segredo deles. Se pensarmos que Jesus foi a cruz, não é possível pensar num caminho diferente para nós [como cristãos]. Este caminho da cruz, é também o caminho da alegria”, disse ela.

Fonte: LifeSiteNews

https://youtu.be/tJqUakQXs0A

Tradução: Tathiane Locatelli
Twitter @tathilocatelli


A Teoria de Gênero na educação, não é a única, nem a melhor saída!

O mês de junho é considerado pelos ativistas como o...

Santo, médico ou militante: afinal, a educação serve a qual finalidade?

Nunca na história da humanidade, houve um tema tão recorrente...

Deixe seu comentário