Santos Pró-Vida: Santa Rita de Cássia

0 Comentário
868 Visualizações

 

Falar de Santa Rita é uma honra, mas também uma responsabilidade. Falar da santa dos impossíveis, da santa que por muito tempo se alimentou somente da Eucarística, da santa que é um testemunho e exemplo para todos os estados de vida.

Pois bem, vamos lá! Quando falamos da vida dos Santos lembramos o sinal que eles foram na sua época, o grande testemunho de cristãos para as pessoas que convivam com eles. Percebemos, e experimentamos muitas vezes por meio da intercessão, o quanto a vida deles nos alcança hoje, o quanto a vida deles é resposta também para esse tempo, o tempo presente.

História de Vida

Santa Rita viveu no século XV, num período em que havia muitas guerras entre famílias pelo poder político. Na cidade de Cássia, a família de seu marido era muito poderosa e vivia em guerra para estar sempre no poder. Ainda em vida fazia a diferença onde estava, ou melhor, onde Deus queria que ela estivesse, principalmente dentro da sua família, com atitudes e decisões que agradavam a Deus, mas não agradavam tanto aos que estavam ao seu lado. Seu cunhado e sogro, por exemplo, desde cedo ensinavam os filhos de Rita a lutarem e até vingar a morte do pai. Rita, porém, nunca concordou com tais atitudes.

Vinda de um berço católico, os pais da santa a ensinaram desde cedo o amor a Deus, à oração e à Igreja. Depois de casada passou a viver tudo o que havia aprendido, mas seu marido era um homem muito difícil, mesmo assim, Rita não desistiu da conversão de Paulo, perdoou e teve paciência em cada tempo ou acontecimento de sua vida, encarando-os com muita firmeza, decisão e principalmente, amor. Isso acabou auxiliando a conversão e salvação de seu marido.

Após o assassinato do seu esposo, Rita entregou a Deus a vida dos seus filhos, que a princípio queriam vingança. Jesus acolheu os seus rogos de modo que estes vieram a falecer, sem ter caído no grave pecado do assassinato. Apó 18 anos de matrimônio e agora viúva e sem os filhos, Rita entrou no convento onde viveu por 40 anos em total entrega a Deus.

Vida Santa

O que encanta na santidade de Rita é seu exemplo em todos os estados de vida. Rita não se tornou santa pelo seu ingresso no convento depois de viúva, pelo contrário, se tornou santa pelo testemunho da sua vida, e isso inclui a esposa, filha e a mãe que ela foi. Ela testemunhou a santidade onde a Vontade de Deus estava, e no tempo que Deus quisesse. Ela também se decidiu pela santidade, não foi algo mágico, ou superficial, mas que passava de modo muito concreto pela sua vida, suas vontades, sua razão, seu corpo e que é possível por graça de Deus.

Além da santidade nos diferentes estados de vida, outro aspecto marcante que encontramos na vida de Rita é o sofrimento, viver o sofrimento, assumir a via de cruz, a via que o próprio Cristo viveu, a via que nós como cristãos precisamos assumir. Santa Rita não viveu o sofrimento como algo contrário à felicidade, ou como um certo “masoquismo”, como alguns podem pensar, mas como e por amor. O sofrimento dela era completamente atrelado ao amor. Um caminho de cruz e ressurreição. Podemos dizer que Rita era feliz? Sim, apesar dos sofrimentos, a santa havia encontrado o verdadeiro sentido e felicidade (que não é uma alegria passageira) que é Cristo, o verdadeiro Tesouro, que dá sentido até mesmo para os momentos difíceis.

O perdão é uma característica que também percebemos em sua vida. Como um efeito dominó, o perdão trouxe a graça de muitas outras virtudes na vida de Rita e possibilitou que continuasse sua vida e sua missão. O perdão nos traz a graça de não pararmos em nós mesmos, na nossa humanidade, nos leva ao outro e a Deus e assim foi na vida de Rita.

Dentro do contexto pró-vida, Santa Rita é um exemplo não apenas pela mãe que foi, mas podemos perceber também que ela compreendeu a dignidade da vida humana, que não é apenas exterior ou passageira, prova disso é que ela lutou pela conversão do marido e cuidou para que as pessoas se reconciliassem com Deus antes da morte, para que tivessem a vida eterna. Afinal, todos somos criados com tamanha dignidade de vida, uma vida eterna. A santa também cuidava de muitos enfermos, como filhos de Deus devem ser cuidados. Ela deu muito Sim à Vida, porque valorizou e acolheu a vida.

Santa Rita é padroeira da Casa Pró-Vida Mãe Imaculada por ser modelo de mulher. Quis a Divina Providência que Santa Rita passasse pelas diversas vocações de uma mulher: virgem, esposa, mãe, viúva e consagrada.

Santa Rita nasceu no ano de 1381 e morreu no dia 22 de maio de 1457. Sua Memória litúrgica é sempre no dia 22 de maio.

Texto: Marcia Elizandra Faustino

Foto destaque: Santuário Santa Rita de Cássia – Curitiba/PR


A Teoria de Gênero na educação, não é a única, nem a melhor saída!

O mês de junho é considerado pelos ativistas como o...

Santo, médico ou militante: afinal, a educação serve a qual finalidade?

Nunca na história da humanidade, houve um tema tão recorrente...

Deixe seu comentário